Disco: “My Maudlin Career”, Camera Obscura

mymaudlincareer

O Camera Obscura é da mesma escola de bandas escocesas do tipo Belle & Sebastian, Teenage Fanclub e Snow Patrol, mas quem merece uma estrelinha no caderno é a vocalista, Tracyanne Campbell (não por acaso, ex-namorada de Stuart Murdoch, vocalista e líder do Belle & Sebastian). É sua bela e delicada voz que se destaca nas músicas da banda, e no mais recente álbum, “My Maudlin Career”, não é diferente.

Mais do que um mero destaque, a impressão é de que as composições foram feitas para se encaixar na voz de Campbell. Os demais membros da banda parecem estar a serviço da vocalista, como se fossem uma banda de apoio de uma cantora solo. Pode parecer injustiça com Gavin Dunbar (baixo), Lee Thomson (bateria), Kenny McKeeve, (guitarra e vocais), Nigel Baillie (trompete e percussão) e Carey Lander (piano, órgão e vocais), mas é a ideia que fica após inúmeras audições de “My Maudlin Career”.

O novo disco, no entanto, fica aquém do anterior, “Let’s Get Out Of This Country”. Enquanto este apresentava belíssimas canções como “Lloyd I’m Ready To Be Heartbroken” e a que dá nome ao disco, o atual traz diversas músicas medianas e até mesmo parecidas entre si. Algumas se destacam, como a que abre, “French Navy” (veja o vídeo oficial ao final do texto), “Swans” e “James”, esta talvez a mais triste das onze que fazem parte do disco.

“French Navy” é a mais redondinha, a que tem mais cara de hit. Engraçado notar como mesmo com o momento de transição (para não dizer crise) pelo qual passa a indústria fonográfica, as bandas continuam adotando conceitos como este, de música de trabalho ou carro-chefe. A música que abre o disco foi disponibilizada no MySpace da banda (assim como um remix de Jim Noir) e já foi ouvida mais de 105 mil vezes.

O disco segue com “The Sweetest Thing”, que já começa a imprimir aos poucos a melancolia característica da banda. Levada de bateria ao fundo fazendo a marcação do vocal lá em cima. “You Told A Lie” e “Away With Murder” já descem um pouco mais o tom, para chegar à sequencia das duas mais belas músicas do disco, “Swans” e “James”.

A primeira começa com os tristes versos “There’s flowers in my house/And I bought them myself” (algo como: há flores na minha casa, e eu as comprei para mim mesma). Ambas formam o ápice de lirismo do álbum, que segue por mais cinco músicas, inclusive a que dá nome ao disco, mas sem alcançar o mesmo nível, tanto de tristeza, quanto de beleza.

[“My Maudlin Career”, Camera Obscura. 11 faixas com produção de Jari Haapalainen. Lançado em abril de 2009 pela 4AD.] [rating: 3.5/5]

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s