Repeat: “Girando”, Guizado


Logo quando “Calavera” saiu, rascunhei um texto no tumblr com a seguinte pergunta: poderia o Guizado ter feito o disco brasileiro do ano? Para mim, a pergunta continua quicando quase três meses depois, apenas com respostas circunstanciais (sim, até aqui). No entanto, infelizmente, não vi muita gente dando ao álbum o merecido valor. Pois bem.

Naquele mesmo texto, falava de uma espécie de abertura conceitual de “Calavera” em relação ao primeiro do trompetista, “Punx”, e a primeira impressão continua. O fato de Guilherme Mendonça ter saído do casulo que a tag “música instrumental paulistana entre a eletrônica, o dub e o jazz”  o mantinha pode ter irritado alguns que até o acusaram de facilitar as coisas. Guilherme pode ter se aberto de vez ao rock, mas sua música continua essencialmente cerebral e infinitamente mais diveritda do que antes.

Prova maior dessa nova fase – a de Guizado como banda de rock com Curumin e Régis Damasceno – é a terceira faixa do álbum, “Girando”.Na faixa, o ritmo quase kraut imposto pelo MPC de Guilherme e a bateria de Curumin colide com os vocais etéreos de Karina Buhr e nos “trompetes delirantes” que você já espera (e que curiosamente me lembraram da trilha de Sonic 2 para Mega Drive). Nem céu, nem terra, “Girando” flutua lindamente nesse novo espaço que o Guizado desenhou para si.

[audio:/guizado–girando.mp3/]

Guizado – Girando

“Calavera” está disponível para download

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Repeat: “Girando”, Guizado

  1. Pingback: Tweets that mention Repeat: “Girando”, Guizado | Bloody Pop -- Topsy.com

  2. @yanblah disse:

    Guizado sem dúvida é um dos grandes nomes da música brasileira, não por iluminar em tempos coloridos e de franjinhas mas sim por qualidade nada duvidosa e fonte que apetece de imediato. Senti uma evolução também perto de Punx o que o elevou para um patamar ainda mais além, entretanto, fico em dúvida também sobre sê-lo o melhor do ano, o Pata de Elefante, como sempre, fez um álbum magistral que apenas comparado com seus antecessores posso, de imediato, imaginá-lo como sendo de segunda linha. Uma coisa lhe digo: se Dia Santo de Jam da Silva, lançado ano passado, fosse de 2010, com certeza, Guizado seria, no mínimo, segundo do ano.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s