Disco: "March Of The Zapotec/Holland", Beirut/Realpeople

marchofthezapotec

Primeiramente é preciso dizer que este lançamento não é exatamente um novo álbum do Beirut, na verdade, “March Of The Zapotec” e “Holland” são dois EPs completamente distintos com só um elemento comum, o jovem e talentoso Zach Condon. O primeiro reflete a viagem de Zach para um pequeno vilarejo no México, onde gravou com uma banda composta por 19 pessoas chamada Jimenez. Já o segundo é uma “ressurreição” de antigo projeto de Condon, o Realpeople, que troca os metais e o ukelele por batidas sintetizadas e teclados.

Com sua insaciável fome de misturar estilos e buscar novas culturas, Zach se mostra um músico em evolução contínua. Logo na primeira música de “March Of The Zapotec”, “El Zocalo”, temos um choque: Beirut também faz marchinha de carnaval? Gravado junto a uma banda famosa por tocar em funerais e casamentos, o EP mostra um sentimento de tristeza e abandono e, ao mesmo tempo, de alegria, afinal a morte no México é motivo de celebração. Em “The Akara”, Zach lamenta por cima de uma melodia guiada por um bela arranjo de trompetes e ukelele. Já em “La Llorona”, ele traz de volta seu liberto romantismo para primeiro plano (“No man ever could steal her heart…”). O EP conta ainda com a participação especial de Chris Taylor (Grizzly Bear) tocando trompete em “The Shrew”.

“March Of The Zapotec” é só a primeira parte dos intrigantes e díspares EPs. No segundo, Zach Condon volta a suas primeiras composições, com o nome de Realpeople. Apesar de não soar nem um pouco com Beirut, “Holland” não parece fora de lugar, mas soa como a extensão da personalidade e concepção musical de um artista visionário.

Com 5 pérolas compostas só por Zach, “Holland” mostra influências de gente como Boards of Canada (em “Venice”) e o europop dos anos 80 na dançante “No Dice”. Há também também ótimas letras, como em “My Night With The Prostitute From Marseille” (que lembra Postal Service), onde Zach talvez converse com o “amor”, ou simplesmente fale com uma prostituta contratada por solidão.

Não confunda. Esses 2 EPs não compõe o terceiro álbum do Beirut, e sim um aperitivo do que podemos esperar para o próximo disco. Zach não esta tentando mudar o estilo do Beirut, mas sim mostrar os diferentes caminhos que o Beirut pode percorrer. Até aqui está dando certo.

[“March Of The Zapotec/Holland”, Beirut/Realpeople. 11 faixas produzidas por Zach Condon. Lançado em fevereiro de 2009 pela Ba Da Bing Records]

[rating: 4.5/5]

Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s