40 Nomes Para Ficar Ligado Em 2008: all around the world, part one

apostas20092ok

Antes de começar as listas dos 25 outros nomes do pop nos quais você deve ficar ligado em 2009, um aviso e uma explicação. É até uma história engraçada (para mim foi, pelo menos) e eu juro que foi exatamente o que aconteceu.

Como eu contei no post passado, essa lista começou a ser feita lá no meio de novembro com uns 10 a 15 nomes de saída, entre eles o grupo britânico Florence And The Machine. Conheci a banda via Don’t Touch My Moleskine e a menina Florence Welch esteve em todas as prévias dessa lista, mas por um descuido que eu não consigo explicar, quando eu passei os quarenta nomes para o computador, acabei esquecendo deles. Ou seja, eram 41 nomes.

Daí que ontem, duas semanas depois, eu reparei no meu esquecimento. Isso depois de ter preparado tudo. Então, vamos ficar combinados que esse especial agora vai ter 40 e 1 nomes para ficar ligado em 2009, mas com o mesmo título. Finjam que eu faltei a aula de “continha de mais” da primeira série, ok?

**********************************************************************

blkjks

BLK JKS
Joanesburgo, África do Sul
Myspace
Lembra: TV On The Radio, Mew, Dungen
Ouça: “Mystery”, “Summertime”

Nos dois últimos anos, como há 30 anos atrás, o pop anglo-saxão voltou seus olhos de colonizador para África. Entre “Graceland”s, Vampire Weekends e Yeasayers da vida, o que ninguém esperava encontrar por lá era uma banda de space-rock. E das melhores. Vindo da África do Sul para capa da FADER, o BLK JKS (lê-se “Black Jacks”) dão outra dimensão ao prog e ao space-rock nos anos noventa, ritmos tradicionalmente branquelos, colocando esses gêneros em contato com o dub e o afro-beat (“Lakeside”). O primeiro EP, “Mystery” (foda do começo ao fim), já foi lançado nos EUA, angariando boas críticas. Fariam um estrago fenomenal se caissem nas mãos de um Danger Mouse ou de um Nigel Godrich.

 

crystalantlers

Crystal Antlers
Long Beach, EUA
Myspace
Lembra: Unicorns/Islands, Comets On Fire, The Mars Volta
Ouça: “Vexation”, “A Thousand Eyes”

Não há muito tempo, usava-se o termo “New Weird America” para se caracterizar uma geração de bandas americanas que eram, uhm, novas e estranhas. A tag pode até não ter colado, mas seria a melhor maneira de descrever o Crystal Antlers, sexteto da Califórnia que faz uma música, uhm, genuinamente nova e estranha. Mas não é um “estranho” qualquer: imagine o Mars Volta abrindo um show dos Stooges num inferninho qualquer em pleno 69, ou o Islands se eles fossem da blank generation? O primeiro EP foi lançado no começo de 2008 e o disco cheio chega no começo de abril pela Touch & Go.

 

cymbals

Cymbals Eat Guitars
Nova Iorque, EUA
Myspace
Lembra: Radiohead, Smashing Pumpkins, Pavement, Silversun Pickups
Ouça: “And the hazy sea”, “The living north”

Elogiados pelo líder do Wrens Charles Bissel, o quarteto novaiorquino faz um indie rock épico e barulhento, como se o Pavement de “Crooked Rain, Crooked Rain” e o Radiohead de “The Bends” fossem uma banda só. As guitarras às vezes chegam a lembrar aquele (ótimo) período do Smashing Pumpkins em que Billy Corgan ficou apaixonado pelas guitarras do shoegaze e há também faixas como “Share”, “What dogs see” e “Wind Phoenix”, menos explosivas, que aproximam confortavelmente do dream pop e do folk. O álbum de estréia, “Why There Are Mountains”, foi lançado de maneira completamente independente e mostra uma banda pronta para almejar patamares, de público e de crítica, bem maiores.

 

danana

DANANANANAYKROYD
Glasgow, Escócia
Myspace
Lembra: Los Campesinos!, Johnny Foreigner, No Age
Ouça: “Pink Sabbath”, “Black Wax”

Enquanto a new rave ainda recebe os louros da imprensa britânica, nos porões do velho império há muito barulho, distorção e infelicidade. Se em 2008, Los Campesinos! e Johnny Foreigner receberam bastante reconhecimento do mundo indie, esse ano é a vez do DANANANANAYKROYD tentar levar noise para os holofotes novamente (estão atulamente abrindo a turnê européia do Kaiser Chiefs). No entanto, se nas suas bandas irmãs havia muito do discurso de coitadinho do indie pop, no DANANANANAYKROYD isso é substituído por um senso de diversão i-don’t-fucking-care, que combina perfeitamente com os ritmos acelerados, os berros do vocal e a parede de distorção das guitarras. Nesse sentido, lembram o No Age, sem a coolzice artsy da dupla americana. E, convenhamos, tem o melhor nome de banda em MUITO tempo.

 

everything

Everything Everything
Manchester, Inglaterra
Myspace
Lembra: Foals, TV On The Radio, Battles
Ouça: “Suffragette Suffragette”, “Hey Jude Law”

Pelas minhas contas, nesse especial são 82 músicas indicadas para audição, e se eu tivesse que escolher só uma seria “Suffragette Suffragette”, primeiro single do Everything Everything. A banda apareceu para mim realmente do nada e desde de dezembro empacou na minha playlist. São de Manchester, cidade que estava devendo boa música há um tempo, e fazem o som mais empolgante vindo do Reino Unido em alguns anos. Soa como se o Foals tivesse seguido o rumo do math-rock e dado de cara com o TV On The Radio. Além disso, há um senso de humor distorcido que eu gosto muito, afinal que tipo de banda escreve um refrão como “Who’s gonna sit on your face I’m gone? / Who’s gonna sit on your face when I’m not there?”? Entram em turnê em março e logo devem lançar um novo single.

 

fanfarlo

Fanfarlo
Londres, Inglaterra
Myspace
Lembra: The Arcade Fire, The Decemberists, Clap Your Hands Say Yeah
Ouça: “I’m a pilot”, “Harold T. Wilkins”

Se descrevesse o Fanfarlo como o “Arcade Fire britânico”, não seria propaganda enganosa. A música do sexteto deve muito ao “Funeral”, mas deve igualmente à clássicos da canção da britânica, como Beatles e Van Morrison. Depois de lançarem uma série de singles em 2008, a banda se prepara para soltar o primeiro disco, “Reservoir”, que tem produção de Peter Katis (The National, Interpol, Spoon). Saem direto de uma turnê com Snow Patrol para o SXSW, e se der tudo certo, tem grandes chances de explodirem dos dois lados da poça. 

 

florence

Florence And The Machine
Londres, Inglaterra
Myspace
Lembra: Kate Bush, Kate Nash, The Libertines
Ouça: “Kiss with a fist”, “Dog days are over”

No momento em que você lê essas linhas, Florence Welch já é grande na Inglaterra. Afinal, por mais que todos esses quarenta nomes sejam ótimos e promissores, nenhum deles ganhou a capa da NME como fez a ruiva e seu grupo.  O debut está sendo gravado com o produtor favorito do indie britânico James Ford e já tem até data de lançamento, 6 de julho. Florence And The Machine é o momento que na linha evolutiva da música britânica o novo rock encontrou a Kate Bush, como mostra o hit “Dog days are over”, que adiciona psicodelia nos novos folk e soul britânicos. Em alguns m0mentos, chega a lembra uma Kate Nash mais crescida, acompanhada pelos Libertines ou pelos Stripes.

 

grammatics

Grammatics
Leeds, Inglaterra
Myspace
Lembra: Cursive, Radiohead, Mew, My Chemical Romance
Ouça: “The Vague Archive”, “Shadow committee”

Baseando-se tanto post-hardcore de bandas como Cursive e Dismemberment Plan, quanto nos momentos mais operísticos da primeira fase do Radiohead, o quarteto de Leeds faz um rock épico e elaborado que parece ser o novo capítulo na história do art-rock britânico. A diferença é a importância dada os ritmos quebrados, que disputam a atenção do ouvinte tanto quanto as melodias tensas e os arranjos. O debut homônimo sai agora em março, mas já vazou e só recebeu críticas elogiosas.

 

herwegomagic

Here We Go Magic
Nova Iorque, EUA
Myspace
Lembra: Animal Collective, The Dodos, High Places
Ouça: “Tunnelvision”, “Fangela”

Novo projeto de Luke Temple, o Here We Go Magic mais uma banda americana disposta a entortar o folk. O primeiro disco está sendo lançado agora nos EUA e traz pelo menos duas pérolas: “Tunnelvision” e “Fangela”. A primeira parte de uma premissa estranha, mas que funciona perfeitamente. Usando de um arpejo de violão como ritmo, Temple constrói uma progressão que lembra kraut-rock. A música é tão legal que foi escolhida para a mixtape de verão que reinaugurou o Bloody Pop. Já “Fangela” aposta no mesmo afro-beat do Vampire Weekend, só que com texturas mais lo-fi.

 

janelle

Janelle Monáe
Atlanta, EUA
Myspace
Lembra: Outkast, Björk, Santogold
Ouça: “Many moons”, “Violet Stars Happy Hunting”

Eu sei que é difícil acreditar, mas a nova promessa da música negra americana é uma garota cujo EP de estréia (“Metropolis: The Chase Suite” começa com uma marcha de guerra influenciada diretamente pela trilha de “Star Wars” e que a primeira canção proprimeamente dita abre com a frase “I’m an alien from the outer space / I’m a cyber-girl without a face”. Jannele Monáe é assim, estranha e adorável. Sua música mistura em doses iguais soul, doo-woop, rock e eletrônica e é recheada de referências de ficção ciêntifica. É protegida de outro maluco, André 3000 do Outkast (uma boa influência, diga-se), e deve lançar o primeiro disco pela gravadora do Diddy (ou P. Diddy?). Enfim, vida inteligente no pop americano!

 

japandroids

Japandroids
Vancouver, Canadá
Myspace
Lembra: No Age, My Bloody Valentine, The Jesus And Mary Chain, Amusement Parks On Fire
Ouça: “Young hearts sparks fire”, “Darkness”

Num ano em que o shoegaze volta como tendência, essa dupla canadense foi aquela que escreveu o possível hino da geração. “Young hearts sparks fire” é o que de melhor você vai ouvir do gênero em 2008: quilos e quilos de distorção e sujeira, bateria na velocidade de um ataque cardíaco e um recém-descoberto potencial radiofônico. A faixa estará no primeiro disco da banda, “Post-Nothing”, que sai em abril.

 

kidcudi

Kid Cudi
Cleveland, EUA
Myspace
Lembra: Lupe Fiasco, Outkast, Common
Ouça: “Man on the moon”, “Day ‘N’ Nite”

Apadrinado por Kanye West, Kid Cudi surge como um sopro de frescor no hip hop americano. Como sua semelhante feminina Janelle Monáe (veja mais acima), Kid se afasta do gangsta-rap meets Human League de artistas como Lil Wayne, T-Pain e o próprio Kanye, para encontra uma melancolia que soa tanto como uma trip pessoal, quanto um discurso contra o esbajamento do estilo. A estreia “Man On The Moon: The Guardians” sai em julho pelo selo de Kanye, o GOOD Music.

 

littleboots

Little Boots
Blackpool, Inglaterra
Myspace
Lembra: Roísín Murphy, Cut Copy, Mignight Juggernauts
Ouça: “Stuck on repeat”, “Meddle”

O synth-pop australiano e francês esteve em todo lugar em 2008, mas em 2009 há uma garota britânica prestes a roubar coroa de Justices e Ladyhawkes da vida. Little Boots é Victoria Hesketh, ex-vocalista do Dead Disco, geek de carteirinha (tem blog, twitter e uma página imensa no YouTube) e a nova queridinha das pistas de dança. Não é por menos. Seu primeiro single, devidamente intitulado “Stuck On Repeat”, é um gigantesco e elaborado hit de pista, algo como Daft Punk produzindo Goldfrapp ou Justice dando o tom das baidas do novo disco da Madonna. Não há como mirar mais alto do essa loirinha está mirando, e até aqui deu tudo certo. O álbum de estréia está recebendo os últimos toques em Los Angeles e deve sair ainda no primeiro semestre.

Sobre Livio Vilela

Happiness Engineer at Automattic
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

2 respostas para 40 Nomes Para Ficar Ligado Em 2008: all around the world, part one

  1. Pingback: 40 Nomes Para Ficar Ligado Em 2009: all around the world, part two

  2. Pingback: Novo vídeo do DANANANANAYKROYD - “Black Wax”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s